Poesia Comentada (por Leila Míccolis)

POESIA COMENTADA

Tive o prazer de conhecer o livro Fábulas para adulto perder o sono, quando participei do júri do Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, este ano. Como o título sugere, trata-se de uma poesia provocativa, inquieta, muitas vezes incômoda e cruel, como a realidade cotidiana. Fiquei muito impressionada com a ousadia da autora (pelo menos o pseudônimo sugeria ser voz de mulher, embora nem sempre isto seja comprado ao final, já que muitos autores colocam o nome da filha ou da esposa no pseudônimo), que não se intimidava com desfechos violentos, sendo capaz de levar até as suas últimas consequências o desenvolvimento de sua ideia:

Os Três Porquinhos

Decepcionados com
Um mundo onde
Ou você come
Ou é comido
Os três porquinhos
Deliberaram
Sair da pocilga

À noite
Entraram na casa
E assaram os donos:

As maçãs nas bocas.

Após o julgamento, quando pude conhecer a identificação dos concorrentes, vi que se tratava realmente de uma mulher: Adriane Garcia.

Deste seu livro, eu poderia transcrever inúmeros outros poemas que me fascina(ra)m, como Romeu e Julieta, Pinóquio, Branca envelhece na neve, Diamante, E o rato roeu a roupa…, Bela Acordada, e tantos outros textos de uma poesia que traz  para a pós-modernidade fábulas e mitos transmitidos de geração a geração, transpondo-os para os tempos atuais, com aguçado senso crítico. O conjunto da obra, muito bem urdido,  lembrou-me os sangrentos e macabros contos infantis originais medievais, antes de serem adaptados por Andersen e os irmãos Grimm que lhes adocicaram e lhes deram finais felizes, segundo o historiador cultural Darnton. Uma obra bem dentro da volta do trágico nas sociedades contemporâneas. Porém, para não me estender demais, transcrevo apenas mais um poema incrível, que fala das potencialidades pessoais que todos temos e que tantas vezes usamos inabilmente, desastrosa e desastradamente…

Desastrada

Tenho uma varinha do condão
e uma marca de nascença num braço:
Quero e acontece.

Só eu percebo magia
Enquanto sorvo a sopa.
Meu feitiço é lento:
Às vezes, contra a feiticeira
Sempre, tarde demais.

Para minha alegria, este livro acaba de ganhar a Segunda Edição do Prêmio Paraná de Literatura, na categoria poesia, e eu aplaudo, porque Adriane Garcia é uma das grandes revelações para mim neste ano de 2013. Quem quiser conhecer mais a obra dessa mineira, ela está no facebook, quase diariamente postando seus versos, tantas vezes desconcertantes, desnorteantes, e  escandalosamente belos.

Advertisements

6 pensamentos sobre “Poesia Comentada (por Leila Míccolis)

    • Líria, Minas tem grandes vozes femininas da atualidade: Thais Guimarães, Clevane Pessoa, você, Tânia Diniz, Neuza Ladeira. Este ano conheci Mara Senna, Mônica de Aquino e Adriane Garcia. Minas está esbanjando criatividade poética…

  1. Que emoção ler sua análise, minha poesia tão atentamente comentada. Um reconhecimento de alguém que é grande na poesia que faz e que entende do que fala, pois que constante estudiosa. Minha admiração e gratidão, sempre.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s